Reflexão

TRISTEZA DA ALMA

04/11/2014 13:47

"A minha alma está profundamente triste até a morte; ficai aqui e vigiai comigo" ( Mateus 26.38).


Tristeza é uma palavra derivada do latim "tristia", que tem o sentido de uma profunda aflição; um sentimento duradouro de insatisfação, acompanhado de uma desvalorização da existência e do real. É um sentimento que vem do nosso interior. Toda tristeza brota de algo ruim presente em nossa vida, em consequência das mais diversas situações. Há tristezas que passam rapidamente, quando rapidamente nos livramos de certos  problemas, porém, há tristezas que se alojam em nossas entranhas, procurando fazer do nosso corpo verdadeira habitação.

No texto citado acima, o Mestre enfrentava o pior momento de sua vida. Caminhava para o calvário, sabendo da impossibilidade de evitá-lo. Contudo, decide orar, buscando no Pai, o consolo necessário para tão terrível momento. Sua tristeza vinha de dentro, dominava seu ser, destruindo sua alegria. Ao tentar contar com a ajuda e companhia de amigos, sua decepção aumenta, pois nem por uma hora conseguem orar com Ele.

Jesus traz à tona toda a sua humanidade. Revela seu lado frágil e necessitado de uma companhia amiga que o confortasse em meio à tão grande tristeza. Sente-se só e totalmente exposto aos aguilhões da morte.

Quantos não são os momentos na vida em que a nossa alma está profundamente triste, como se sentíssemos o cheiro da morte? Quantas vezes não nos sentimos sozinhos, como que ninguém viesse ao nosso encontro para orar conosco? O sofrimento de Jesus reflete o cotidiano dos nossos sofrimentos.  A tristeza do Mestre traz à tona as nossas tristezas. A dor e a solidão vividas pelo próprio filho de Deus revelam nossos momentos de lutas, quando clamamos pelo consolo eterno.

O consolo que extraímos de toda essa história vem do próprio Jesus. Ele enfrentou o abandono dos amigos, encarou a tristeza, sofreu as piores dores, mas, ao ressuscitar, surge como algo novo, renovado, aonde, nem choro, nem lágrimas, nenhuma tristeza tinha poder sobre Ele. Esta é a promessa divina sobre todos aqueles que derramam o coração perante o Senhor. Em momentos de tristeza, quando a nossa alma parece caminhar pelo vale da sombra da morte, somos renovados pelo poder do Altíssimo e cuidados pelo seu grande amor de Pai.

Deixemos as nossas tristezas no Altar do Senhor!


Rev. Silas de Oliveira





SONDA-ME, Ó DEUS!

28/10/2014 14:00

"Sonda-me,  ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me e
conhece as minhas inquietações. Vê se em minha conduta algo te ofende, e
dirige-me pelo caminho eterno"  (Salmo139.23,24).
 

Um dos maiores pecados da humanidade está na atitude precipitada em julgar a espiritualidade do próximo. Ao olhar gestos, falas comportamentos etc tentamos descobrir o que o  outro está pensando,  planejamento ou praticando, sendo  que muitas vezes, inúmeras pessoas estão em busca tão somente de uma palavra de paz, esperança e amor.

O ser humano é mal por natureza. O ato de julgar é parte de um comportamento que analisa o exterior, sem analisar cuidadosamente o interior. Daí as grandes tragédias da humanidade que sempre decidiu pelo
ouvir dizer e nunca pelo ato de sentir e conviver com a dor do próximo.  Ao desejarmos conhecer as pessoas que Deus coloca em nosso caminho, precisamos, também, manifestar um profundo interesse por sua história de vida, suas lutas, lágrimas e sonhos.  Desta forma, eliminamos riscos de julgamentos precipitados.

No texto acima o salmista abre o seu coração para Deus. Pede que o próprio Deus caminhe pelo seu interior e visite as entranhas de sua alma. Vá às profundezas do seu coração e trabalhe as suas inquietações, para que possa ter uma conduta íntegra e abençoada diante do Criador. Na beleza do salmo, depositamos no altar divino os nossos sentimentos e deixamos que as nossas emoções falem com o bondoso Deus da criação. Ele que nos criou e nos fez em cada detalhe, pois conhece a nossa vida em sua totalidade. Nada foge do seu controle!

Dele vem a vida, mas dele também vem toda a verdadeira orientação e  a bondosa e profunda maneira de conduzir o nosso ser.

Devemos, diariamente, abrir nosso coração ao Senhor, em oração. Rogando a Ele misericórdia, coração restaurado e capacidade de perdoar ao nosso próximo, como Cristo diariamente perdoa as nossas
negligências. Aliás, quantas delas, não cometemos, talvez enquanto estamos lendo este pequeno texto, através dos nossos pensamentos e ações.

Ser sondado pelo próprio Deus é um privilégio às pessoas que reconhecem que a vida torna-se insuportável para aqueles que querem viver pensando e idealizando diariamente somente o mal. Deus nos fez para o bem,
por isso a oração do salmista, pedindo que Deus visitasse cada parte do seu ser. Que o poder restaurador de Cristo Jesus, através do seu sacrifício na cruz, nos conduza aos braços do Salvador, que deseja a cada dia,  sondar nossas mentes e corações. Somente assim, seremos novas criaturas, transformadas pelo sangue do Cordeiro.

Rev. Silas de Oliveira


 

1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>