VIOLÊNCIA E MORTE

08/03/2012 10:11

Há algum tempo escrevi um texto com o título “Diga não a violência!”, procurando destacar algumas atitudes tomadas pela sociedade frente à tão dolorosa situação. Naquela oportunidade foram expostas três grandes atitudes que normalmente são adotadas pela sociedade diante de tão cruel realidade. A primeira refere-se ao não comprometimento, pois toda a responsabilidade cabe às autoridades que são as responsáveis pela ordem pública. Nada podemos fazer a não ser cobrar providências e soluções imediatas. Uma segunda posição está na atitude de nos “fecharmos” em nosso pequeno mundo, pois solução não virá mesmo, então é melhor se proteger, vivendo trancados dentro de nossas próprias casas. E por fim, uma terceira refere-se diretamente à nossa vida religiosa. Há um grupo de pessoas que ao cantar o hino “Que segurança, sou de Jesus!”, passa a pensar que não precisa fazer mais nada, pois Cristo será sempre o vigia maior das nossas casas, escritórios etc. Cristo sendo o responsável por tudo, não precisamos nos preocupar com mais nada. Interessante que pessoalmente nunca vi esse tipo de pessoa dormir com as portas e janelas abertas, nem mesmo deixar seus carros ou bens expostos nas ruas ou praças da cidade. Pelo contrário, buscam como todas as demais pessoas a mesma proteção e a mesma segurança.

 

A violência faz parte do grande currículo da humanidade desde os primórdios de sua história. Começou dentro do primeiro lar, quando a inveja gerou ódio entre irmãos.  Nessa oportunidade, os primeiros pais perderam não um filho, mas  dois, pois toda a família ficou destruída.

 

Dia após dia  temos acompanhado as trágicas notícias que envolvem o sofrimento de inúmeras famílias, vítimas de uma sociedade violenta. Difícil resistir às lágrimas quando olhamos o semblante de pais e filhos que estão vivendo uma dor humanamente insubstituível. Impossível não se  indignar com tão miserável realidade humana, aonde as pessoas matam e se matam como se a vida nenhuma importância tivesse.

 

Deus nos convoca para sermos profetas e profetizas que denunciam o mal e anunciam a salvação que há em Cristo Jesus. O Mestre veio ao mundo para anunciar a Paz de Deus a todos aqueles que o aceitarem como Senhor Maior. Sua missão foi marcada por palavras e atitudes de protestos contra todo tipo de violência e morte já existentes em seu tempo.

 

Não se deixe dominar pela omissão! Coloque-se na mão de Deus e seja instrumento de sua paz. Fale do amor de Deus em seu trabalho, escola, lar, esquinas e ruas. Diga que o nosso Criador continua chorando quando vidas são ceifadas por atos de covardia e violência. Oremos pela paz de nossa cidade, pois a cidade estando em paz, também nós viveremos em paz. “Procurai a paz da cidade, para onde eu vos levei; rogai por ela ao Senhor, porque a sua paz será a vossa paz” ( Jeremias 29.7 ).

 

Rev. Silas de Oliveira