SUBMETENDO-NOS À VONTADE DE DEUS

20/06/2010 10:46

 “...procurai compreender qual a vontade do Senhor” ( Ef 5.17b).

 

A teologia calvinista é marcada pelo constante desejo de transmitir uma mensagem de completa obediência à vontade de Deus. Na opinião de João Calvino, reformador do século XVI, através do qual recebemos nossa herança protestante, Deus é Senhor absoluto de toda a criação. Portanto, toda a criação deve submeter-se ao seu comando e à sua lei.

 

Quando restaurado do seu estado de pecado, o ser humano compreende que ao criar o mundo, Deus estabeleceu regras claras de convivência entre todos os habitantes da natureza. Em virtude do pecado, quebramos tais regras e agredimos a lei divina, criando regras próprias baseadas em decisões impensadas. Ao nos reencontrarmos com Deus, descobrimos um jeito novo de viver, com novas e perfeitas regras para as nossas vidas.

 

O grande desafio de todo filho (a) de Deus está exatamente em procurar responder diariamente a esta pergunta: “Qual a vontade de Deus para a minha vida?”. Nossas vontades são conhecidas e constantemente expostas, porém, conhecer a vontade divina, oferece-nos a oportunidade de olharmos toda a criação com os olhos da fé. Descobrimos que há coisas e atitudes que não mais são necessárias para as nossas vidas, pois estamos diante de uma nova proposta de vida.

 

Compreender que nem sempre a nossa vontade é a vontade do Pai, levou Calvino a ensinar que o ato de submissão nos convida a uma vida de entrega e obediência completa às suas leis. Aos nos colocarmos debaixo da missão de Deus, passamos a compreender sua vontade e nos oferecemos disponíveis à sua missão. Estamos a serviço de Deus e se assim estamos não temos o direito de estabelecer regras no Reino onde Cristo é Senhor.

 

 O próprio Jesus, quando no Getsêmani, submeteu-se à vontade do Pai. Humanamente queria de ela fugir, porém, tendo profunda consciência da sua missão exclamou; “Todavia, não seja como eu quero, e, sim, como tu queres” ( Mt 26.39 ). Sua atitude proporcionou restauração, libertação e esperança a toda humanidade distante do Criador.

 

Como servos (as) conscientes do grande amor de Deus busquemos, diariamente, compreender qual a vontade divina para o nosso viver. Não devemos nos esquecer que a vontade do Pai sempre é e será a melhor, independente das circunstâncias a enfrentar. Deus nos ama e isto nos basta!

 

 

Rev. Silas de Oliveira