SOMENTE FOLHAS Marcos 11.12-14; 20-26

03/09/2012 11:12

A narrativa bíblica registrada pelo evangelista Marcos, citada no texto acima, além de ser extremamente forte, faz também parte de um grupo de mensagens proferidas por Jesus que incomodou profundamente os seus seguidores. Ao ler a história da figueira não estamos diante de nenhuma parábola utilizada por Jesus para ilustrar os seus ensinos. Pelo contrário, nos deparamos com um fato real e intrigante.

Durante sua caminhada, Jesus sente fome. Como qualquer ser humano, o Mestre sente também  a necessidade de se alimentar. Depara-se com uma bela figueira, cheia de vigor e decide procurar  figos  para comer. Ao procurar nada encontra, senão apenas folhas, provocando em Jesus uma profunda frustração e indignação.

Na realidade, a figueira era símbolo da nação de Israel. Uma nação carregada de pretensão e fingimento, porém estéril espiritualmente. Israel se apresentava como sendo uma nação exclusiva de Deus. Infelizmente havia produzido uma bela folhagem, porém fruto algum saíra de seus ramos. Sua aparência era perfeita e insuperável. Contudo, constantemente despedia vazios aqueles que nela  buscavam sustento e paz. Havia  esquecido-se que seu chamado passava pelo compromisso de ser bênção a todas as nações da terra. Constantemente contava com a bênção do Deus Eterno, mas nenhuma produção apresentava. Somente era alimentada, mas a ninguém alimentava.

Diante do quadro acima alguém pode perguntar: Mas como explicar o fato da figueira se secar, se Cristo buscou frutos fora de época? Exatamente aí está a grande mensagem da história. Deus nos considera capazes de produzir em tempo e fora de tempo. Ele procura em seus filhos e filhas frutos a qualquer época. E quando  procura deseja encontra-los em plena produção e em ótima qualidade.

Uma cuidadosa leitura de textos como este, nos conduz a uma releitura das nossas vidas. Neles encontramos uma rica oportunidade de uma profunda reavaliação dos nossos conceitos de espiritualidade frente às necessidades humanas e da Igreja de Cristo. Carecemos observar se também não estamos carregados de folhas de pretensão e fingimento, em uma total esterilidade espiritual.

O texto é um convite à reflexão sobre nossa vida. Deus nos convida a produzir e a única maneira de fazê-lo e estando constantemente ligados à videira verdadeira ( João 15 ). É Ele que promove a poda no tempo certo, nos alimenta com palavras de vida e esperança e nos conduz às verdes pastagens ( Salmo 23.2 ).

Caríssimo irmão e irmã: cuidemos da nossa vida espiritual, pois o Agricultor Maior não aceita árvores ( figueiras ) que não produzam  frutos dignos de arrependimento.

 

Rev. Silas de Oliveira