DEUS PRESENTE EM TEMPO DE AFLIÇÃO

13/06/2010 10:36

 

 

“Senhor, tem misericórdia de nós; em ti temos esperado; sê tu o nosso braço manhã após manhã e a nossa salvação no tempo da angústia” (  Isaías 33.2 ).

 

A história do povo de Israel é marcada constantemente por altos e baixos, principalmente nas questões relativas à fé. O capítulo 33 de Isaías faz parte de um momento histórico da nação, anterior ao exílio babilônico. O profeta estava anunciando o problema e apresentando soluções vindas da parte de Deus. Israel não seria abandonado, pois o Eterno continuava ao lado do seu povo, apesar da ingratidão. O desejo divino visava resgatar e restaurar Jerusalém, a cidade santa, que se afastara do amor e da graça do Pai. Ao lermos o versículo 2, encontramos uma mensagem de conforto e consolação, pois em meio a toda crise que estava sendo instalada, o profeta declara a necessidade e o desejo de ser cuidado e restaurado pelo verdadeiro Deus. Através do texto descobrimos que:

1)       A nossa esperança está somente em Deus - “Senhor, em ti temos esperado....”, declara o profeta em meio às ruínas. Israel colocara toda sua esperança em deuses estranhos, trocando o Deus verdadeiro por coisas de nenhum valor ( Jeremias 2 ). Uma primeira lição extraída do texto consiste em compreender que a esperança humana necessita estar firmada na pessoa de Cristo, o Senhor. Aonde temos colocado nossa esperança e depositado o nosso futuro? É preciso ouvir e obedecer a voz divina diante das lutas que a vida nos impõe. É preciso submissão à vontade do Pai. Quando nossa esperança está em Cristo, podemos não entender o presente, mas com certeza o nosso futuro será melhor e abençoado.

 

2)       Ele é o nosso braço forte - Na segunda parte do versículo encontramos esta preciosa declaração: “se tu nosso braço, manhã após manhã...”    O profeta reconhece que suas forças estão esgotadas e que está impossibilitado de caminhar sem ajuda divina. Quantas vezes pensamos   

 

na utilidade do braço ou de qualquer membro do nosso corpo?   Se o braço humano não está suportando o peso da caminhada, Ele é o nosso braço forte. Ele sustenta nossa vida, carrega os nossos fardos e nos leva em seus braços quando nossas forças já se esgotaram. Não podemos nos tornar pessoas insensíveis, que rejeitam o colo divino. É preciso aprender a descansar nos braços do Pai.

 

3)       Nosso socorro no tempo da angústia - O profeta sabia que Deus era a única solução para Israel, tanto que termina o versículo declarando... “e a nossa salvação no tempo de angústia”.  Na realidade, as lágrimas estavam secando e o povo não encontrava solução. Para Isaías, Deus é o socorro bem presente na tribulação ( Sl 46 ). Quantas vezes nossas lágrimas também não estão secando, e não visualizamos solução para os nossos problemas. A paz que preenche nosso vazio está na certeza de que Ele caminha conosco no tempo da angústia. Basta confiar!

Olhemos para o texto acima e façamos da oração do profeta a nossa oração. As lutas do profeta são as nossas lutas. O lamento do profeta é o nosso lamento. As enfermidades do profeta são as nossas enfermidades, porém, a confiança do profeta deve ser a nossa confiança, pois o Deus do profeta é nosso Deus. Que a oração de Jeremias seja sempre a nossa oração.

 

Rev. Silas de Oliveira