CHRONOS ou KAIRÓS

27/01/2014 09:25
 

 

Eclesiastes é um convite à reflexão sobre a realidade da vida. Seu conteúdo nos convida a pensar sobre a nossa história e como desejamos escrevê-la, diante da eminente realidade da morte. Para o autor, morrer é algo certo e inevitável, frente a um mundo cheio de vaidades e distante do Criador. Ao analisar a sua própria realidade, nos apresenta dois tipos de tempo tão presentes e ao mesmo tempo tão mal compreendidos. O tempo do homem (chronos ) e o tempo de Deus (kairós). O tempo que passa e acaba e o tempo que existe e é eterno.  O tempo que inventamos e o tempo criado e determinado pelo próprio Deus.

Chronos   significa um período de tempo,  longo ou breve. Daí a  ideia do relógio – horas (cronometro). Chronos  serve inicialmente para a designação formal de um espaço  de tempo, ou ponto de  tempo, refere-se ao tempo cronológico ou sequencial  que pode ser medido.  No pensamento grego,   chronos  representava o tempo que faltava para  a morte, uma vez que era  impossível fugir do mesmo, todos seriam mais  cedo ou mais tarde vencidos  e devorados pela morte.  Chronos  dá ideia de envelhecimento,  algo que a qualquer momento pode acabar.

Kairós  significa  o momento certo,  o tempo oportuno,  a oportunidade favorável, o ponto justo, a medida certa e o lugar apropriado. É a ideia da não preocupação com o relógio.  Na  teologia passou a ser usado para descrever a forma qualitativa do tempo ou “o  tempo de Deus”, o tempo que não pode ser medido, é o tempo da oportunidade,  livre do peso das cargas que se passam e da ansiedade das  coisas que acontecem.  Ele se manifesta sempre no presente,  instante após instante;  Kairós marca os momentos que se tornam inesquecíveis,  ainda que tenham sido  breves, pois  os gregos acreditavam que com o Kairós poderiam enfrentar o cruel e  tirano Chronos.

 Eclesiastes é um convite divino a se pensar na vida  como dádiva de Deus.  Contudo, nos desafia a pensar na mesma como algo frágil e passageiro.   Optar por Chronos ou Kairós depende de uma decisão pessoal.  Quando vivemos sob o tempo humano fazemos as coisas a partir das nossas próprias vontades.  Matamos ou organizamos o tempo segundo nossos próprios desejos.  Vivemos a vida pessoal ou espiritual baseados em nosso próprio relógio.  Atrasamos ou adiantamos de acordo com as nossas intenções.  O tempo que temos torna-se ocioso para Deus e repleto de invenções para o inimigo.

Quero convidá-lo a viver sob o  tempo de Deus (Kairós). Tempo da oportunidade - tempo da eternidade. Tempo que se renova todas as manhãs,  refazendo o nosso interior. Tempo refeito pelas canções que nos convidam a louvar. Tempo que trabalha as nossas vidas através da sua palavra. Tempo que nos fortalece através da oração. Tempo de olhar a criação e saber que o Criador fala conosco, conduzindo-nos à eternidade. Quando agimos assim, não temos tempo para pensar no mal. Não temos tempo para imaginar o mal. Não temos tempo para executar o mal.

Cuide de sua espiritualidade e viva diariamente sob o Kairós de Deus.

 

Rev. Silas de Oliveira