A LEI DO CRISTÃO Salmo 19

02/07/2012 12:58

O Salmo 19 faz parte de uma coletânea de outros salmos que se utilizam da beleza da criação para expressar a glória e o poder de Deus.  O hino celebra ao Senhor como criador do céu, especialmente do sol ( v. 5 ),  pois no antigo Oriente, o sol era visto como símbolo da justiça divina, devido ao seu poder e presença em todos os lugares. Para o salmista a  natureza e a  Lei manifestam as perfeições divinas.  A partir do versículo oitavo, o salmista enfatiza a beleza da lei de Deus.  Há algo interessante e entranho humanamente falando, quando lemos que a lei faz alguém feliz.  A sensação que temos é que todos escutam e experimentam o contrário, afinal de contas, não seria melhor uma vida sem lei?  Será verdade que a lei do Senhor alegra o  coração e nos faz feliz? Para o salmista, a lei do Senhor deixa de trazer felicidade ao ser humano quando:

 

1) Nos tornamos escravos de uma religião humana - Jesus condenou severamente a atitude dos fariseus, como por exemplo, a exigência de lavar as mãos ou fazer o bem aos sábados. Esses transformaram a religião em um catálogo de exigências, não oferecendo prazer e alegria através da adoração. Na opinião do Mestre, quem não consegue entender a profundidade da lei de Deus, começa a praticar uma religião infantil.  Torna-se incapaz de tomar decisões e não assume os seus próprios atos. São escravos da lei e da opinião dos outros.  Quando  essa religião é praticada,  a lei deixa de ser fonte de alegria, pois nada do que é imposto, seja de cima ou e de fora pode produzir alegria e paz. Nada que produz um complexo de culpa e medo pode dar sossego e felicidade.

2) Não compreendemos que a lei de Deus é a lei do amor - Este é o segundo e decisivo aspecto na experiência do salmista com Deus. Na sua visão  a lei do Senhor é perfeita, nos torna sábios  e alegra o  coração. Não é apresentada como uma forma jurídica de viver o evangelho, mas sim como um caminho que leva o ser humano até a presença do Criador  ( Salmo 1 ).   Estamos falando da lei do amor, pois é  impossível amar sendo obrigado. Ninguém consegue amar verdadeiramente, na força da obrigação.  É por isso que não podemos confundir leis dos homens com lei de Deus, pois enquanto a  lei humana escraviza  a divina liberta. Enquanto a humana sufoca, a divina nos faz respirar. Enquanto a humana mata, a divina promove a vida, pois aquele que conhece o amor de Deus torna-se sábio. A sabedoria vinda de Deus nos torna livres e responsáveis, pois aprendemos a amar independente dos pecados e erros cometidos. Temos uma ordem divina – devemos amar, em todo o tempo e em qualquer situação.

 

Vivemos em um mundo de leis. Há leis para todas as coisas e circunstâncias das nossas vidas. Olhemos para o Salmo e busquemos na lei divina o prazer pela vida que nos dá paz e comunhão. Na lei do Senhor a felicidade e a alegria nos conduzem à eternidade devido ao seu grande amor demonstrado na cruz do Calvário.

 

 

Rev. Silas de Oliveira